quinta-feira, 6 de junho de 2013

O Quilombo do Urubu

                                                 
 Era um local onde as pessoas viviam da agricultura, pesca e dos frutos existentes naquela região. Era uma região de mananciais e rios.
A localidade era distante e muito escondida, não tinha contato algum com a cidade. Provavelmente para não serem descobertos. Contudo, sempre tinha um grupo que ia e vinha para dar notícias do que acontecia na cidade, deixando os quilombolas informados.
Sendo Salvador distante, os quilombolas do Urubu possuía uma vasta área, onde utilizavam para caçar e buscar frutos. Esta região ia até o Parque S. Bartolomeu (localizado em Pirajá), dando acesso para Cajazeiras. 
No local havia também um candomblé de nagô. Havia ainda uma mulher muito respeitada conhecida como Zerefina, integrava a liderava do local. 
Os quilombolas perderam sua privacidade com o crescimento de Salvador. E em 1826 iniciou-se uma revolta, quando alguns quilombolas foram pegos roubando farinha de mandioca e carne seca para o quilombo, de uma família de lavradores. Mesmo diante das revoltas, os quilombolas continuaram roubando os produtos e levando-os para o grupo.
Os capitães do mato tentaram surpreender os assaltantes. Zerefina liderava um grupo armado com facas, arcos e flechas na tentativa de defender o quilombo. Homens da milícia de Pirajá também juntaram-se aos capitães na tentativa de atacar e vencer o Urubu. 
Zerefina lutou bravamente, mas foi presa, ainda que com dificuldade, pela milícia de Pirajá. Humilhada, foi condenada a trabalhos forçados.

Do Quilombo do Urubu resta apenas a lagoa do Urubu (local conhecido como Brasilgás), apagando assim, mais uma historia do povo negro.

2 comentários:

  1. Saudoso Quilombo do Urubu. Nessa parte da história do seu bairro nos encontramos, uma vez que passei minha vida inteira indo a Cajazeiras, onde conheci muitos lugares que fez parte desse Quilombo.
    Excelente trabalho, parabens pela riqueza.

    ResponderExcluir
  2. Que história linda! Tinha que ser registrada, fatos como este não pode se perder da nossa história!

    ResponderExcluir